Olá! Tudo bem, pessoal?

Vamos falar de um assunto que nos anima, nos faz acordar, relaxar e tem tantos outros benefícios para a nossa vida. Sim, estamos falando de música!

Muitos pesquisadores reconhecem a música como sendo um estímulo importante no desenvolvimento da mente humana, promovendo equilíbrio, proporcionando um estado agradável de bem-estar, favorecendo a concentração e a criatividade. Ajuda também a desenvolver o raciocínio, principalmente em questões reflexivas voltadas para o pensamento.

Pesquisas ainda apontam que a música não só traduz sentimentos, mas também auxilia para o melhor funcionamento do cérebro, pois faz com que diferentes áreas sejam ativadas.

Mas e aí? Pode ou não pode música no trabalho? Continue a leitura e explore essa questão mais a fundo com a gente.

Música no trabalho

Buscando responder a essa questão, temos o estudo realizado pela agência WebpageFX, que expôs os resultados no infográfico Whistle while you work: Impact of music on productivit (assobie enquanto você trabalha: o impacto da música na produtividade), publicado na área de negócios do LinkedIn. Veja que interessante:

* 61% dos funcionários escutam música no trabalho para se sentirem mais felizes e produtivos;

* 88% deles realizam um trabalho mais preciso quando estão ouvindo música;

* 77% de donos de pequenos e médios negócios acreditam que a música levanta o astral da equipe.

Segundo a União Brasileira das Associações de Musicoterapia (Ubam), existem diferenças nos resultados de acordo com o nível de experiência do funcionário e a atividade que ele irá exercer. Algumas atividades necessitam de silêncio e atenção.

Para o neurocientista canadense Daniel Levitin, o mais aconselhável é ouvir suas canções preferidas durante 10 ou 15 minutos antes de começar as atividades diárias. Assim você irá iniciar o dia com alto astral e, nos momentos seguintes, terá mais foco para trabalhar.

Músicas alegres são capazes de aumentar o desempenho em tarefas mais repetitivas. Já para as atividades cognitivas, o ideal é que você opte por apreciar o som antes da realização do trabalho.

Fones de ouvido

Em muitas empresas não são proibidos, mas eles ajudam ou atrapalham?

Os fones de ouvido podem ser ótimos quando você precisa focar em uma determinada tarefa e os ruídos do ambiente tendem distraí-lo. Entretanto, há quem diga que os fones estabelecem uma barreira entre você e o restante do “mundo”. Seus colegas não conseguem lhe dizer algo sem antes chamar sua atenção. Em casos assim, é necessário fazer uso do bom senso.

Quem precisa estar constantemente transmitindo ou recebendo informações deve controlar o volume e usar os fones em momentos específicos. Assim, não há o risco de atrapalhar a comunicação e a dinâmica no trabalho.

Agora, se você trabalha em grupo, mas pode ficar por horas no seu “mundo”, o uso dos fones de ouvido pode ser uma excelente opção. Adicionalmente, nesse contexto, o fone ajuda a evitar conflitos, afinal, nem todos gostam das mesmas músicas, não é mesmo?

Criatividade

Estudos também apontam que a música afeta o lado da “criatividade divergente”, relacionada à geração de novas ideias e soluções alternativas para problemas. Por isso, quando achar que sua criatividade não está fluindo, uma boa opção é ouvir músicas. Assim, pode ser que você encontre melhores soluções criativas.

Boas práticas

  • O volume ideal

O mais recomendado é ouvir música em volume intermediário, não ultrapassando 75db. Desta forma, você não irá comprometer a sua audição e concentração em suas tarefas.

  • A intensidade ideal

A intensidade em que ouvimos a música pode causar diferentes reações em nosso corpo. Essa “energia” é medida pelo que chamamos de BPM (batidas por minuto). As músicas de maior intensidade (100-170 BPM) são aconselhadas para levantar o ânimo e afugentar a preguiça. Já as músicas calmas (em torno de 60 BPM) são relaxantes, para uma boa leitura ou um “papo cabeça”.

  • O ritmo ideal

A recorrência da letra pode fazer com que o cérebro foque na tarefa, mas não são todas repetições que funcionam da mesma maneira. Algumas delas só nos tiram a concentração e grudam na cabeça como chiclete (sabe aquela música? Então…). Buscar por músicas com repetições simples que não requerem concentração na letra é uma alternativa quando o foco for concentrar-se e ser criativo nas tarefas.

Em linhas gerais, é importante ter em mente que a música pode contribuir ou prejudicar dependendo do contexto. O fundamental é respeitar as regras da empresa, os colegas e a si mesmo. Bom senso sempre.

Mas e para você? Música no trabalho ajuda ou não? Conta pra gente!